• Tony Veríssimo

INCRA: O Governo Dilma foi o que menos colocou a Reforma Agrária em prática



Para o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura, a CONTAG, o impeachment de Dilma justificaria a invasão de propriedades rurais. Para o líder do MST, trata-se de caso para “pôr o exército na rua” – e por exército nesse caso, João Pedro Stédile se refere justamente ao próprio MST.

A guerra civil é uma opção para os líderes dos movimentos de trabalhadores rurais; tudo sob a justificativa de defender o governo que menos atuou para defendê-los. Em todo o ano de 2015, foram zero imóveis desapropriados com o intuito de reforma agrária, e segundo a Comissão Pastoral da Terra, nada menos do que 73% dos assentados durante o início do primeiro governo Dilma foram para assentamentos já preparados antes de sua gestão.

Dilma desapropriou nada menos do que 22,3 vezes menos imóveis do que Fernando Henrique Cardoso, que teve a própria fazenda invadida pelo MST. Foram 3.532 imóveis desapropriados em 8 anos de FHC, contra 158 nos 5 primeiros anos de Dilma (que até uma semana atrás, não havia feito nenhum novo assentamento em 2016).


Em número de famílias assentadas, 2014 representou um recorde para Dilma: cerca de 32 mil. Em seu pior resultado, em 1995, FHC assentou 42,9 mil famílias. O pior número de Lula é de 36,3 mil famílias.

Para o Tribunal de Contas da União, porém, o esforço recente da presidente em buscar realizar desapropriações (e assim acalmar uma das suas poucas bases de apoio), não deverá prosseguir por muito tempo. O Tribunal avaliou que entre os assentados por Dilma, constam irregularidades das mais variadas, incluindo beneficiários como 1.017 políticos (847 vereadores, 96 deputados estaduais, 69 vice-prefeitos, quatro prefeitos e um senador), 37 mil pessoas falecidas, 61 mil empresários, 4.293 pessoas com alto poder de renda (pessoas que tenham carros com valor superior a R$ 70 mil, como Porche, Land Rover ou Volvo) e 213 estrangeiros. Todos recebendo lotes de terras por parte do INCRA. Em função disso, toda e qualquer desapropriação e assentamento devem ser suspensos, tornando incerto o orçamento de R$ 1,2 bilhão do INCRA para o ano, no qual constam R$ 560 milhões para prováveis desapropriações.

#Dilma #Lula #FHC #ReformaAgrária #Incra

6 visualizações

Siga o Eu Sou Azul

Tony Veríssimo

Post em destaque

© 2014-2020 EuSouAzul.com

Todos os direitos reservados