• Tony Veríssimo

Brasil gasta mais com policiais aposentados do que com policiais na ativa



Brasil gasta mais com policiais aposentados do que com policiais na ativa

Que os salários dos nossos policiais e professores são baixos, não resta dúvida. Na câmara municipal de São Paulo, por exemplo, um engraxate recebe salário bruto de R$ 10,4 mil, contra R$ 3,9 mil de um policial que trabalha na mesma Câmara, ou R$ 2,9 mil de um policial em início de carreira no Estado de São Paulo.

Nosso maior problema, entretanto, segue sendo uma questão estrutural do próprio governo: até pouco tempo atrás, em muitos estados, policiais sequer pagavam contribuição previdenciária, como é o caso do Rio Grande do Sul. O resultado é que hoje, nestes mesmos estados, é preciso dividir os recursos existentes para a área entre aqueles que estão na ativa e os aposentados.

No mesmo Rio Grande do Sul, conhecido por seu problema previdenciário, os 19.257 PMs em atividade custam ao estado R$ 127,1 milhões por mês. Com os 24.123 aposentados, o custo é de R$ 209,2 milhões, mais R$ 70,2 milhões com 9.908 pensionistas.

Definir prioridades em um estado em crise é, teoricamente, uma tarefa árdua para parlamentares. Com um déficit que pode chegar a R$ 25 bilhões apenas nos quatro anos do atual governo do Rio Grande do Sul, os deputados estaduais foram chamados a ajudar a cortar gastos e garantir que os salários do funcionalismo sejam pagos, ainda que parcelados. Nada disso impediu a chamada farra do combustível, promovida pelos mesmos. Em 2014, cada um dos 129 veículos dos parlamentares gaúchos gastou em média R$ 35 mil em combustível, contra R$ 3,5 mil de cada viatura policial.

No Espírito Santo – que enfrenta uma greve branca da Polícia Militar nos últimos dias, ocasionada por parentes que bloqueiam a entrada dos quartéis -, o gasto com inativos é equivalente a 40% do total.

Iniciativas como a criação de um fundo previdenciário que acumule recursos tentam reverter a situação. O resultado, porém, só começará a ser sentido em algumas décadas e pode não ser suficiente, uma vez que na Brigada Militar (a Polícia Militar do RS), por exemplo, a média de idade ao aposentar-se é de 48 anos.

#Polícia #aposentados #Brasil

1 visualização0 comentário

Siga o Eu Sou Azul

Tony Veríssimo

Post em destaque

© 2014-2020 EuSouAzul.com

Todos os direitos reservados