• Tony Veríssimo

Youtube: '1964: O Brasil entre armas e livros' atinge 2,5 milhões de visualizações em 24h


O famoso escritor romancista e clérigo irlandês, Laurence Sterne, já afirmava: "A censura é o imposto da inveja sobre o mérito". A esquerda e a própria mídia parecem que não entendem os efeitos daquilo que os eles mesmos defendem e professam: 'Quando você censura algo, você está promovendo aquilo que censura sem perceber'. E foi exatamente isso que acontece com o mais novo documentário da produtora Brasil Paralelo: 1964: O Brasil entre armas e livros.

Taxada pejorativamente e equivocadamente por parte da grande mídia como um documentário pró-ditadura, o longa-metragem censurado em cinemas e em várias universidades se mostrou o inverso das acusações recebidas prematuramente e equivocadamente. Tornando-se assim o martelo dos seus algozes.


Graças a liberdade ainda existente na internet e distribuição gratuita via Youtube, o documentário 1964: O Brasil entre armas e livros atingiu a expressiva marca de mais de 2,5 milhões de visualizações em apenas 24 horas. O longa-metragem superou às críticas, ganhou apoio populacional e por várias horas esteve como conteúdo mais visto da plataforma.




O documentário elaborado exclusivamente com recursos doado por assinantes e apoiadores – visto seus promovedores não aceitarem recursos públicos -, expôs os fatos históricos tal como ocorreram antes, durante e após o 31 de janeiro de 1964. Com base em documentos oficiais até então omissos do conhecimento público, o longa apresentou os verdadeiros objetivos da esquerda e as ações e responsabilidades promovidas pelos militares.


As infelizes críticas realizadas por diversos veículos da grande imprensa sobre o documentário antes mesmo dele ser exibido, e a censura promovida por diversas universidades brasileiras apenas agravou a falta de credibilidade que a população nacional tem da imprensa, além de expor o controle doutrinário marxista que impera nas universidades públicas. Local onde deveria ser promovido a diversidade de ideias através da observância dos princípios constitucionais da liberdade de expressão e da manifestação de pensamento.


O documentário 1964: O Brasil entre armas e livros caiu nas graças do povo, não apenas por ter o objetivo de expor os eventos relacionados ao período de maneira tal como ocorreu, mas também em demonstrar que a censura, seja ela vinda de onde for, não pode e nem vai privar a população do seu conhecimento. Como ‘um tiro de 38 em um trem de carga’ a tentativa de censura fracassou. E demonstrou, que o documentário exibido é a maior obra audiovisual, referente ao período, de todos os tempos.


Agora, sem manipulações e com o livre pensar e refletir, o brasileiro pode responder a pergunta: houve no Brasil uma Ditadura, Regime Militar ou Revolução?


É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”. Art. 5º, IX, da Constituição da República Federativa do Brasil


111 visualizações

Siga o Eu Sou Azul

Tony Veríssimo

Post em destaque

© 2014-2020 EuSouAzul.com

Todos os direitos reservados